O fascismo do antifascismo- 2

A redação de ITALIAMIGA teve a conhecença de um fato gravíssimo que aconteceu no Espírito Santo, Brasil - Estado que faz parte da Circunscrição Consular do Rio de Janeiro - cuja população é formada, por cerca de 75% de descendentes de italianos. Na capital deste Estado, Vitória, está sendo organizado, de 10 a 13 de setembro, pela UFES (Universidade Federal do ES), importante evento cultural cujo título é: "Itália de ontem e de hoje". Neste evento serão incluídos alguns seminários cujos relatores são indicados pelas várias associações italianas presentes no território. A AIRES (Associação dos Italianos Residentes no Espírito Santo) indicou, como relator para uma dessas palestras, o doutor Patrizio Diego Errini, pessoa muito estimada e integrada na comunidade italiana, piemontês, residente no Brasil desde 1997, casado com uma brasileira e laureado em direito na Universidade de Pavia, na Itália. Além de suas atividades pessoais O Dr. Errini exerce a função de Secretário da Federação do Espírito Santo do CTIM (Comitê Tricolor para os Italianos no Mundo). O representante do AIRES, engenheiro Alexandre Jacomelli, oriundo, falando perfeitamente o italiano (fato que exclui a possibilidade de mal-entendidos devidos ao precário conhecimento do idioma), entregou a um dos organizadores do evento o nome do dr. Errini, como relator escolhido pela AIRES. O prof. Paolo Spedicato (funcionário del Ministero della Pubblica Istruzione - Ministério da Educação italiano - à disposição do Ministério dos Assuntos Exteriores e, por este, enviado como "leitor de língua italiana" na UFES), quando recebeu o nome de Errini, como relator, afirmou, na frente de numerosas pessoas presentes, que «não era oportuno que o Dr. Errini participasse do seminário como relator, enquanto expoente de uma Associação (CTIM), ligada à direita italiana e ao partido de Aliança Nacional». O engenheiro Jacomelli, que ficou indignado e extremamente escandalizado pela recusa e, sobretudo, pela motivação aduzida, referiu a resposta ao AIRES, provocando a indignação geral dos presentes. O que aconteceu é um fato gravíssimo e intolerável. A coletividade italiana deseja que sejam tomadas imediatas providências, das quais, a primeira, a aceitação da participação do Dr. Errini no Seminário, e, em seguida, o pedido de desculpa ao AIRES, ao CTIM e ao Dr. Errini e, se possível, o chamado de volta à Itália deste antidemocrático indivíduo, não renovando o seu cargo.
Este fato, gravíssimo, demonstra mais uma vez, que nos órgãos públicos italianos quem continua mandando é a esquerda que pode se permitir, impunemente, discriminações políticas absurdas e antidemocráticas. Aquela mesma esquerda que está sempre pronta a levantar, quando interessa, a bandeira da democracia e do pluralismo da informação, mas que, quando pode, continua a impedir os mesmos direitos aos adversários. O "compagno-tovarish" Spedicato nada mais é senão outra demonstração do fascismo do antifascismo.

Charge de Giovanni Guareschi na revista "Candido"Obbedienza cieca, pronta, assoluta
Obediência cega, pronta, absoluta

Pubblicazione: Candido n. 11, 13 Marzo 1953, autor Giovannino Guareschi

- Contrordine compagni! La frase contenuta nel foglio d'ordini trasmesso al P.C.I dal Politburo:"Per esternare al popolo russo il nostro cordoglio, bisogna mandare subito due fessi a Mosca", contiene un errore di stampa e pertanto va letta:"...bisogna mandare due messi a Mosca".

- Contra ordem, companheiros! A frase conteúda na folha de ordens transmitida ao Partido Comunista Italiano, pelo Politburo: "Para externar ao povo russo nossos pêsames, precisa enviar imediatamente dois fessi (bobos) a Moscou", contem um erro de impressão e portanto deve ser lido"... precisa enviar imediatamente dois messi (mensageiros) a Moscou".