«Florentinos, expressamos nossa indignação»

Da carta escrita pela jornalista florentina, Oriana Fallaci, ao jornal Corriere della Sera, 6 de novembro de 2002

Na ocasião da reunião do Social Forum Europeu que se tem em Florença, temendo as barbaridades cometidas nos precedentes encontros, a escritora Oriana Fallaci, em carta enviada ao "Corriere della Sera", convida os florentinos a terem dignidade, a não ficarem inertes e resignados, expressando sua própria indignação, em maneira civil e educada, fechando as lojas, inclusive as de genros alimentícios. Convida, igualmente, a fechar os restaurantes, bares, mercados, cinemas, teatros, farmácias. Aconselha os donos das lojas a agir como agiram alguns corajosos durante a famosa Marcia su Roma de 1922, quando Mussolini tomou o poder, colocando nas portas o cartaz com a escrita "Fechado por luto". O mesmo cartaz deveria ser colocado na porta do Museu dos Uffizi e dos outros Museus, assim como na porta do Battistero, de Santa Maria in Fiore e de todas as igrejas. A Fallaci pede de não falar com aqueles que, no mínimo, querem pichar nossos monumentos. "Imponham a si mesmos uma espécie de toque de recolher, sintam-se como sentiam-se quando, em 1944, as tropas alemãs brilharam todas as pontes, (menos Ponte Vecchio). Ofereçam ao mundo o doloroso espetáculo de uma cidade ofendida, ferida e traída, mas, apesar de tudo, orgulhosa". 

Depois a ira da jornalista e escritora se vira contra a possibilidade que, os que apadrinham o Social Forum, para não perderem os benefícios de prefeito, presidente da região, deputado, senador, ministro e secretário geral consigam convencer os organizadores do Forum a voltarem atrás da ameaça prometida de que a manifestação não será não-violenta. Vale dizer que não acontecerá o que aconteceu em Seattle, Praga, Montreal, Nice, Davos, Gênova e Barcelona. É provável que não ousarão quebrar as genitálias do David ou os braços do Perseu. Talvez não tentarão assaltar bancos, nem os quartéis dos Carabinieri. Mas, destaca a escritora, não existe apenas a violência física, aquela que, alimentando-se de cinismo vai procurando o morto a ser santificado. A violência que, alimentando-se de idiotice, suja as fachadas de prédios antigos, quebra as vitrines, saqueia as lanchonetes, queima os carros, repetindo os rituais macabros dos nazistas. Existe a violência moral, aquela que se manifesta com as demagogias e as chantagens, que se expressa com as ameaças e as intimidações. A violência que, explorando a Lei a humilha e a ridiculariza, que servindo-se da Democracia a ultraja, aproveitando-se da Liberdade a mata. A assassina. É esta a violência que Florença está sofrendo em maneira escandalosa, por culpa daqueles que, para manter o Poder, procurando os votos que o povo lhe negou, impuseram à cidade o oceânico e bárbaro adunamento chamado Social Forum.

O resto da carta, em italiano, se encontra no site: http://www.corriere.it/edicola/index.jsp?path=PRIMA_PAGINA&doc=FOGLIET