Morreu o inventor do PC

de Edoardo Pacelli - 22 de janeiro

Pier Giorgio PerottoMorreu na cidade de Génova, na Itália, aos 71 anos, o engenheiro italiano Pier Giorgio Perotto, inventor em 1965 do primeiro computador pessoal. Como diretor-geral, foi responsável, de 1967 a 1978, do departamento de pesquisa tecnológica. Perotto foi o autor da transformação da Olivetti de empresa metal-mecânica em indústria eletrônica., desenvolvendo o primeiro PC que chamou de "Programma 101" e o cartão magnético, o ancestral do floppy disk. Por suas invenções recebeu o prêmio Leonardo da Vinci do Museu da Ciência e da Técnica de Milão, em 1991.

Seu Programma 101 teve um enorme sucesso. Em pouco tempo foram vendidos 40 mil exemplares, mas tendo abandonado o setor eletrônico, a Olivetti não era organizada através de uma ampla rede comercial. A Hewlett Packard teve que pagar  quase um milhão de dólares por ter colocado à venda, anos mais tarde, um produto que violava algumas patentes da "101".
Numa entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera, Perotto confessou: « Eu sonhava uma máquina amiga, à que delegar aquelas operações que são causa de fadiga mental e de erros, máquina que soubesse apreender e depos executar docilmente, que armazenasse dados e instruções simples e intuitivas, cujo uso fosse ao alcance de todos, que custasse pouco e de tamanho similar aos dos equipamentos típicos de escritórios. Tinha que encontrar uma nova linguagem que dispensasse o "interprete vestido de branco", isso é, o experto».
Naquele tempo, os primeiros computadores ocupavam salas inteiras e tinham uma linguagem-máquina extremamente complicado. Ao outro extremo, havia as calculadoras de mesa, ainda mecânicas. O engenheiro Perotto e seus colaboradores utilizaram transistores para a nova máquina (o circuito integrado ainda não tinha nascido) e inventaram uma linguagem muito simples, uma espécie de Basic com apenas 16 instruções. «Para o ingresso e a saída dos dados, pensei em um cartão magnético que pudesse servir, ao mesmo tempo, como memória permanente ou arquivo. Foi o protótipo dos atuais floppy disk. O cartão permitia a construção de bibliotecas e programas».
Em 1965, os jornais americanos New York Times e Wall Street Journal, sairam com essas manchetes: «O primeiro computador de mesa do mundo» e «Um computador sobre a escrivaninha. Podaremos ver um computador em cada escritório, ante que existam dois carros numa garage».
Perotto gostava de contar a história italiana da eletrônica que, infelizmente para a Itália, depois do falecimento de Adriano Olivetti, foi considerada, apenas, um sonho muito caro.